O Arquivo da casa de Belmonte séculos XV-XIX: Identidade, gestão e poder

Tese de Doutoramento em Arquivística Histórica de Maria João Andrade e Sousa

Resumo

A presente tese estuda o Arquivo da Casa de Belmonte que se compõe de cerca de 30 metros lineares de documentação. O núcleo mais antigo deste arquivo foi produzido e conservado pela linhagem dos Figueiredos ligando-se ao seu percurso desde finais do Quatrocentos. Os objetivos principais são a compreensão da produção documental da linhagem dos Figueiredos entre o final do século XV e a primeira metade do século XIX e dos dinamismos que levaram à criação, produção e manutenção do Arquivo da Casa de Belmonte. Identificando os contextos que estiveram na génese deste arquivo, pretendemos apreender a(s) forma(s) e o(s) intuito(s) de utilização da documentação, identificando as intertextualidades que contém e tentando compreender a relação da linhagem com os seus documentos e de que forma o arquivo contribuiu para a sua consolidação. Fá-lo-emos num plano interdisciplinar em que aliaremos a História e a Arquivística e, para atingir estes objetivos, dividimos o trabalho em três partes principais. Na primeira, daremos conta dos suportes teóricos que guiaram o nosso estudo, sobretudo no que diz respeito aos paradigmas atuais da Arquivística Histórica, à História da Nobreza em Portugal e ao conhecimento que existe hoje sobre Arquivos de Família nas suas especificidades. Terminamos esta parte com a explanação global sobre a família que produziu o arquivo. Na segunda parte esclareceremos a história custodial do acervo e explicaremos como constituímos o corpus analítico a partir da existência de dois inventários conservados no Arquivo da Casa de Belmonte e da consulta das Chancelarias Régias, Corpo Cronológico e Registo Geral de Mercês. Na terceira parte será explicada a representação arquivística a partir de um quadro orgânico e de um quadro de classificação. Daqui partiremos para a análise da produção e usos da documentação por geração e por produtor. A análise aprofundada dos dois inventários conservados no Arquivo da Casa de Belmonte permitiu compreender os vários instrumentos de recuperação da informação. Terminamos com um capítulo de reflexão sobre o efeito do arquivo na consolidação da família/Casa e um epílogo em que se pretende refletir sobre valorização, divulgação e disponibilização de Arquivos de Família.

Referência bibliográfica:

SOUSA, Maria João d’Orey de Figueiredo Cabral da Câmara Andrade e – O Arquivo da casa de Belmonte séculos XV-XIX: Identidade, gestão e poder. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2017. Tese de doutoramento.