Entrevistas e depoimentos

*ANÓNIMO (1979), “Entrevista com Maria da Piedade e Pina Mendes, responsáveis pelo Departamento Editorial da Bertrand”, Notícias do Livro, Lisboa, n.º 5, Mar., p. 7-11.

*ANÓNIMO (1978), “O editor do mês. Entrevista com Manuel Rodrigues Oliveira (Edições Cosmos)”, Notícias do Livro, n.º 1, Nov., p. 8-12.

*BARREIRA, Cecília (1993), “Odette de Saint-Maurice”, Confidências de mulheres: anos 50-60, Lisboa, Círculo de Leitores.

*BLOGTAILORS (2007), «Edições Saída de Emergência: entrevista com António Vilaça», Blogtailors, 12/X.

*CABRAL, Afonso Reis (2014), “Eugénio Silva, ilustrador de sonhos”, Romano Torres, 21/III (contém versão transcrita e versão áudio original, com cortes, entrevista realizada a 7/II/2014).

*COSTA, Sara Figueiredo (2013), “Manuel Medeiros, um ‘livreiro velho’ de olhos postos no futuro”, Blimunda, n.º 16, p. 16-22 [Consult. 29 de Novembro, 2013].

*COSTA, Sara Figueiredo (2013), Carlos da Veiga Ferreira. Os editores não se abatem, Lisboa, Booktailors.

*COSTA, Sara Figueiredo (2012), Fernando Guedes: o decano dos editores portugueses, Lisboa, Booktailors.

*DAURO, Covas (2008a), “Ler com o Sr. Luís [entrevista ao livreiro Luís Alves Dias]”, Blogue Todos os Livros, partes 1 (11/I), 2 (14/I), 3 (21/I) e 4 (23/I).

*DAURO, Covas (2008b), “Histórias soltas do Sr. Luís [trechos da entrevista ao livreiro Luís Alves Dias]”, Blogue Todos os Livros, partes 1 (25/I), 2 (29/I) e 3 (31/I).

*DE RERUM NATURA (2007), «Entrevista a Guilherme Valente. Entrevista inédita com o editor da Gradiva», De Rerum Natura, 30/IV.

*DUARTE, Luís Ricardo (2014), “Antero Braga – 40 anos de livreiro”, JL, 19/III-1/IV, p. 2.

*GOMES, Eva (2010), O comércio alfarrabista no século XX: a Livraria Académica, Aveiro, Universidade de Aveiro, dissertação de mestrado. Nb: com transcrição de diversas entrevistas a Nuno Canavez, de 2009.

*RENDEIRO, Margarida (2010a), “Appendix 1: Interview with Zeferino Coelho at Editorial Caminho’s Head Office on 8th November 2004”, in The literary institution in Portugal since the thirties. An analysis under special consideration of the publishing market, Berna, Peter Lang, p. 339-347.

*RENDEIRO, Margarida (2010b), “Appendix 2: Interview with Marcelo Teixeira (Editorial Coordinator) e António Lobato Faria (editor) at Oficina do Livro on 17 November 2004”, in The literary institution in Portugal since the thirties, Berna, Peter Lang, p. 349-355.

*RENDEIRO, Margarida (2010c), “Appendix 3: Interview with Maria do Rosário Pedreira, Publisher of Temas e Debates, sent by E-Mail on 23rd November 2004”, in The literary institution in Portugal since the thirties, Berna, Peter Lang, p. 357-361.

*RENDEIRO, Margarida (2010d), “Appendix 4: Interview with Margaret Jull da Costa [tradutora profissional], sent by E-Mail in April 2005”, in The literary institution in Portugal since the thirties, Berna, Peter Lang, p. 363-364.

*VINTÉM, Luís (1998), “Os 40 anos da Verbo”, JL, 14/I, p. 13.

 

*AAVV (2013), & etc. Uma editora no subterrâneo, Lisboa, Letra Livre.

*AAVV (1994), António Barata. Um perfil, [Lisboa], Livr. Barata e Editorial Presença.

*AMARO, Luís (1988), “A propósito de editores: Eduardo Salgueiro”, Colóquio/Letras, n.º 102, III, p. 142.

*ANDRADE, Francisco Noronha, «Encontro romano torres apresenta projecto homónimo e testemunho do último editor», 26/II/2014, intervenção do último editor da Romano Torres na sessão de apresentação pública deste site.

*ANSELMO, Artur (2000), Babel sobre Babel, Lisboa, BABEL.

*AZEVEDO, Cândido de (1999), A censura de Salazar e Marcelo Caetano. Imprensa – teatro – cinema – televisão – livro, Lisboa, Editorial Caminho.

*BAPTISTA, Alçada (1988), “Vida e morte da Moraes”, Alter/Ego, n.º 5, p. 93-98.

*BEJA, Rui (2011), À janela dos livros, [Lisboa], Temas e Debates/ Círculo de Leitores.

*BRITISH LIBRARY (s.d.), “National life stories: Book Trade Lives”, British Library [Consult. 15 de Março, 2012].

*FERREIRA, Serafim (1999), Olhar de editor: narrativa, Lisboa, Escritor.

*GUEDES, Fernando (1988), Eu, editor, me confesso, [Lisboa], Verbo.

*MARQUES, Henrique (1935), Memórias de um editor: publicação póstuma, [Famalicão], [Tip. Minerva].

*MARQUES, Pedro (2010), “Cinco escolhas de Paulo da Costa Domingos”, blogue Montag, 18/10 [Consult. 28 de Novembro, 2013].

*MELO, Daniel (org.; 2012), “As editoras e o seu património” (dossiê), Cultura – Revista de História e teoria das Ideias, vol. 30, p. 173-203.

*PEREIRA, Antónia Maria (1998), Parceria A. M. Pereira. Crónica de uma dinastia livreira, Lisboa, Pandora.

*PINHEIRO, Maria Odete Manso (coord.) (2007), António Carlos Manso Pinheiro. Uma Homenagem, Lisboa, Estampa e APEL.

*PORTAS, Catarina (2008), “O último livro da Ulisseia s.f.f.”, Público – sup.º Ípsilon, 1/XII.

*TAMEN, Teresa (coord.; 2006), A aventura da Moraes, Lisboa, CNC.

*TAVARES, José Correia (2001), O timbre das vozes, Alpiarça, Garrido Editores.

 

 

 

*AAVV (1994), António Barata. Um perfil, [Lisboa], Liv. Barata e Editorial Presença.

*ANDRÉ, Susana (2013), “Os cinco querem salvar a Sá da Costa”, site Carrossel Magazine, 31/VII, [Consult. 29 de Novembro, 2013].

*LETRIA, José Jorge (2013), “Quem deixou morrer a Livraria Sá da Costa”, Público, 29/7, p. 39.

*Livreiros da Sá da Costa [Noémia Batalha, Susana Pires, Pedro Oliveira, Salomé Gonçalves e António Esteves], Manifesto contra o desastroso encerramento das livrarias da Cidade de Lisboa no centenário da Livraria Sá da Costa, Lisboa, Livraria Livre, 2013, p. 7-15.

*PORTO, Carlos (1994), Livrarias & livreiros, 1945-1994. Histórias portuenses, Porto, Livraria Leitura.

*SANTOS, José da Cruz (org.; 1999), Fernando Fernandes. 47 anos de divulgação da leitura, Porto, Campo das Letras.

 

torrado (foto-ilustr)António Torrado, “Livros à mão e outros que não”

Os almanaques eram a minha predilecção. Li-os ao calhar, de trás para diante, do meio para trás, à procura das respostas às mil interrogações que os Lello, os Bertrand, os O Século me despertavam mais do que resolviam. Lembro o papel sépia e as letras miudinhas, apertadas em duas colunas de texto, onde cabiam provérbios, sonetos, anedotas, relatos de viagens, receitas de tira-nódoas, pensamentos de celebridades, quinquilharias científicas, fragmentos de romances.

O meu gosto por enciclopédias e a irresistível tentação de ir ler ao lado, derivam dessas leituras avulsas como um colar desmanchado de missangas. […]

Também lia os livros disponíveis para as crianças da minha condição social (“remediada”, classificavam-na os meus pais): a colecção Manecas, da Editora Romano Torres, os Tonecas, de Oliveira Cosme, a colecção Azul, da Condessa de Ségur, colecção que me proporcionou também os arrepiantes contos dos Grimm, de Perrault e do genial Andersen, lido e relido e seduzindo sempre. […]

Ao lado dos clássicos, lia, sem preconceito, em opusculos agrafados, as aventuras do pistoleiro Texas-Jack e as do corsário Capitão Morgan que já tinham deliciado o meu pai. Sempre gostei de piratas, de duelos chispantes, de canecas de rum que nunca provei. E esperava ansiosamente os sábados que me traziam o Cavaleiro Andante, como antes O Mosquito. Tinha a colecção toda. Uma inundação levou-a. Nunca me consolarei.

In: TORRADO, António (20–), “Livros à mão e outros que não”, Casa da Leitura.

Fonte da imagem: Casa da Leitura.

 

Cecília Barreira, “O meu pai e a Romano Torres (texto inédito destinado ao site Romano Torres, para ler clicar no link supra)

Odette Saint-Maurice, autores e livros preferidos

Ai…!!! Que leituras? Todas e mais algumas, desde muito novinha. O pri­meiro livro que amei? As Meninas Exemplares, da condessa de Ségur, a célebre e maravilhosa condessa de Sé­gur. Sabia páginas de cor e vivia in­tensamente com as personagens. A Madalena, a Camila, a Margaridi­nha de Rosbourg, o João, o Leão, o Tiago… Inesquecíveis! Depois… De­pois Júlio Dinis… E Camilo, e Eça de Queirós (a descoberta de Eça, com A Cidade e as Serras – que maravi­lha!), e Alexandre Herculano e Rebe­lo da Silva e Almeida Garrett e Ar­naldo Gama e, e, e, e! E Emílio Salgari. E Júlio Verne. E Alexandre Dumas. E Victor Hugo. E Alphonse Daudet. E George Sand. E Ëmile Zo­la. E Tolstoi. E Dostoievski. E Walter Scott. E Charles Dickens. E as Irmãs Brõnte. E Jane Austen. E Peari Buck. E Cronin. E Stephen Zweig. E!!!

In: BARREIRA, Cecília (1993), “Odette de Saint-Maurice”, Confidências de mulheres: anos 50-60, Lisboa, Círculo de Leitores.

Fonte da imagem: http://misteriojuvenil.com/forum/viewtopic.php?t=2176.