Acções do Documento

António Carvalho olha o futuro nos 125 anos do Museu Etnográfico Português

Antigo aluno da NOVA e diretor do Museu Nacional de Arqueologia, originalmente Museu Etnográfico Português, estará em 40 anos, 40 Masterclasses.

António Carvalho promete "agarrar na História e explicar o que podemos aprender com ela" numa masterclass em que revisitará a fundação do Museu Etnográfico Português, atual Museu Nacional de Arqueologia (MNA). A aula aberta decorre esta quinta-feira (22) às 18h00 no Auditório 1 da NOVA FCSH.

Em declarações ao site da Faculdade sublinha que estarão em destaque "os contributos de Bernardino Machado, como Ministro das Obras Públicas, e de José Leite de Vasconcelos, como fundador do Museu, em 1893". Relembramos que, na época, e tal como explica o site do MNA, o Estado português procurou criar um espaço "dotado de um programa em que passado e presente, arqueologia e etnologia, se procuravam reunir num só conceito comunicacional".

Em 2018, Ano Europeu do Património Cultural, o Museu Nacional de Arqueologia comemora 125 anos. É igualmente nestes dois marcos que António Carvalho se focará, procurando realçar a importância da ligação e da ponte necessária entre a História e a Arqueologia em Portugal, mas também a influência destas duas áreas na história do Museu.

A masterclass, intitulada A criação do Museu Etnográfico Português no final de oitocentos. Leituras do passado orientadas para o futuro, é dirigida "a todos os interessados em História e Arqueologia, em particular aos estudantes de todos os ciclos de ensino". O orador, também investigador do Instituto de História Contemporânea (IHC) pretende igualmente aproveitar o espaço de debate com todos os participantes nesta sessão para visitar e explorar projetos vindouros.

António Carvalho licenciou-se em História pela NOVA FCSH, no ano de 1987, tendo obtido a pós-graduação em Ciências Documentais pela ULisboa. Iniciou-se na Arqueologia de uma forma sistemática, entre 1983 e 1985, com os trabalhos de prospecção de fornos romanos no vale do rio Sado, realizados por uma equipa do Museu do Mar de Cascais que integrou. É diretor do MNA desde 2012, cargo para o qual foi reconduzido por duas vezes, a última das quais em 2017.

2018-03-20 23:05
Topo da Página