GeoSat - Metodologias para extracção de informação GEOgráfica a partir de imagens de SATélite de alta resolução

Projecto de investigação “GeoSat - Metodologias para extracção de informação GEOgráfica a grande escala a partir de imagens de SATélite de alta resolução” do e-GEO (Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional)

Qual o potencial solar do seu telhado? Esta é a questão que um grupo de investigadores do e-GEO (Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional), Unidade de Investigação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa (FCSH/NOVA), e do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia (DEGGE), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FC/UL), se propõe a responder, quantificando o potencial fotovoltaico dos edifícios. A solução desenvolvida pela equipa de investigação propõe uma forma simples de estimar a rentabilidade da instalação de sistemas fotovoltaicos em áreas urbanas, cruzando elementos como a área de telhado disponível, o rendimento alcançado por cada painel solar e o custo da instalação. Para esse fim, encontra-se publicada uma página na Internet, em www.fcsh.unl.pt/e-geo/energiasolar, através da qual cada pessoa pode facilmente ficar a saber o potencial energético do seu próprio edifício (para já disponível apenas para a freguesia de Alvalade, em Lisboa, mas que podem ser aplicados em qualquer outra parte do país).

Entre os dados disponíveis contam-se elementos como a energia que se poderá produzir anualmente, uma estimativa do consumo anual dos seu residentes e, o mais interessante, o cálculo do tempo de retorno de um investimento do condomínio em painéis fotovoltaicos: são cerca de 9 a 10 anos nos casos com bom ou muito bom potencial solar, ainda que, naturalmente, cada caso seja único.

Na realidade, o projecto “GeoSat - Metodologias para extracção de informação GEOgráfica a grande escala a partir de imagens de SATélite de alta resolução” teve por base objectivos mais amplos. Segundo José António Tenedório, investigador do e-GEO, docente do Departamento de Geografia e Planeamento Regional e o responsável por este projecto, o propósito era o de definir “uma metodologia de extracção de informação geográfica baseada em procedimentos automáticos e semiautomáticos a partir de imagens de satélite de muito alta resolução espacial”. É com base nestas que se extraíram os dados que permitem concretizar a previsão relativa ao potencial fotovoltaico dos edifícios.

Após reunir os elementos, relata Teresa Santos, docente convidada da FCSH e investigadora do e-GEO, procurou-se então saber qual “a exposição solar durante o dia e ao longo do ano [dos edifícios residenciais]. Com base nisso, identificámos quais eram as águas dos telhados com maior potencial para a instalação de painéis solares”. Quanto a intenções, “estamos em conversações com a e-nova”, a Agência Municipal de Energia e Ambiente de Lisboa, que “ficou muito interessada” em todo o projecto. “Estamos a fazer um plano exploratório conjunto para ser candidato a um fundo criado para a investigação”, acrescenta Teresa Santos.

Futuros desenvolvimentos do estudo incluem também a avaliação do potencial solar térmico, bem como a possibilidade de reconversão de topos de edifícios em ‘coberturas verdes’, um sistema de engenharia ligeiro que permite a plantação e crescimento de plantas e flores sobre uma laje convencional, à semelhança daquelas que encontramos nos telhados de Lisboa.

No contexto da energia é de notar que Portugal tem poucos recursos em energias fósseis e enorme dependência energética do exterior, mesmo sendo um país com índices de irradiação solar elevados: 1,74 MWh/m2/ano, valor bastante superior à média europeia (1,16 MWh/m2/ano). Estes valores justificam, só por si, o crescente interesse em soluções energéticas mais amigas do ambiente.

Utilizar a detecção remota surge naturalmente como a área científica que permite extrair informação relevante para apoio a este tipo de projectos de investimento. De entre os diferentes dados recolhidos por detecção remota, destacam-se os obtidos por varrimento laser (LiDAR – Light Detection And Ranging), que têm mostrado ser uma fonte de informação muito útil sobre edifícios em meio urbano.

 

Factos & Números

Projecto multidisciplinar e interuniversitário: “GeoSat - Metodologias para extracção de informação GEOgráfica a grande escala a partir de imagens de SATélite de alta resolução”

Código: PTDC/GEO/64826/2006

Área Científica: Geografia

Palavras-chave:

Detecção remota

Informação geográfica

Modelação de dados geográficos

Planeamento urbano

Financiamento (FCT): € 120 902,00

Período: 2008 - 2010

Unidade de Investigação Principal: e-GEO Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional, e-GEO

Investigador responsável: José António Tenedório

 

Equipa de Investigação

Investigadores:

José António Tenedório

Ana Cristina Navarro Ferreira

Fernando Jorge Albuquerque Pina Soares

João Manuel Martins Casaca

Ana Maria de Barros Duarte Fonseca

Fernando Jorge Albuquerque Pina Soares

João Manuel Martins Casaca

Márcia Maria Lopes da Costa A. E. Muñoz

Maria José Velho Santos

Paulo Manuel Eloy Sena Rego

Rui Pedro de Sousa Pereira Monteiro Julião

Sandra Mónica Vale Efigénio

Teresa Alexandra Gonçalves dos Santos Silva

 

Bolseiros de Investigação:

Sérgio Manuel Carneiro Freire

Teresa Alexandra Gonçalves dos Santos Silva (Bolsa de Doutoramento FCT: SFRH/BD/27671/2006)

Investigadores associados ao desenvolvimento e à valorização do projecto:

Miguel Centeno Brito (Docente do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa: co-orientação da dissertação de Mestrado de Nuno Miguel Pereira Gomes integrada no projecto GeoSat, calibração do modelo solar e transferência de conhecimento)

Nuno Miguel Pereira Gomes (Membro Colaborador do e-GEO: implementação do modelo SIG, concepção e programação para criação da plataforma WebGIS e transferência de conhecimento)

Sérgio Manuel Carneiro Freire (Membro Colaborador do e-GEO: consultor na implementação do modelo SIG e no processamento digital de imagem e transferência de conhecimento)

Teresa Alexandra Gonçalves dos Santos Silva (Membro Integrado do e-GEO: co-orientação da dissertação de Mestrado de Nuno Miguel Pereira Gomes integrada no projecto GeoSat, implementação do modelo SIG, transferência de conhecimento)

 

Instituições Parceiras

Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC)

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL)/Fundação da Universidade de Lisboa (FUL/UL)

Câmara Municipal de Lisboa (CML)

GeoSat - Metodologias para extracção de informação GEOgráfica a partir de imagens de SATélite de alta resolução

Reportagens mais visualizadas
  1. > O celtismo e as suas repercussões na música na Galiza e no Norte de Portugal
  2. > Sociedade Civil e Democracia: Portugal numa Perspectiva Comparada
  3. > As relações familiares dos imigrantes em disputa
Potencial fotovoltaico dos edifícios
Ligações relacionadas