Horta Solidária da FCSH

A Horta Solidária da FCSH localiza-se no Parque Botânico do Monteiro-Mor, Museu Nacional do Traje, Lumiar, em Lisboa. Plantam-se ervas aromáticas e diversos produtos hortícolas.

A Horta Solidária da FCSH é um projecto que, para além de propiciar uma actividade de lazer e o contacto com a Natureza, pretende reconhecer os benefícios (ambientais e sociais) de uma horta urbana (cada vez mais evidentes e necessários nas grandes cidades); ao mesmo tempo que procura aumentar a participação activa de todos na defesa do ambiente e nas questões de responsabilidade social e cidadania. De modo a concretizar os objectivos a que se propõe, o projecto engloba várias componentes: a construção (colectiva) de uma pequena horta citadina, no Parque Botânico do Monteiro-Mor; a formação na área da horticultura biológica; a elaboração de trabalhos académicos e o desenvolvimento de uma rede local de solidariedade.

A iniciativa partiu de um grupo de alunos, docentes e funcionários e foi acolhida pela direcção da FCSH que, em Setembro de 2011, decidiu candidatar-se a um talhão de cultivo, com cerca de 90 m2, no Museu Nacional do Traje, no Lumiar, em Lisboa. A candidatura foi aprovada e a formalização do Acordo de Cultivo com o Museu Nacional do Traje ocorreu em Janeiro de 2012. De imediato, foi realizada a primeira acção de formação que se pretendia introdutória à prática de agricultura biológica e que incluiu uma visita de estudo a uma exploração agrícola em Modo de Produção Biológico (MPB), proporcionando a todos os colaboradores do Projecto uma oportunidade de sensibilização e contacto com os produtos produzidos por este modo de produção. Ainda em Janeiro de 2012, a equipa do projecto elaborou um plano de plantação (que compreende a área da horta propriamente dita, a área de compostagem e a área de um jardim) e deu início aos trabalhos preparatórios para a implementação da horta (como sejam, limpar o espaço, construir os canteiros, preparar o terreno para receber as plantas e aprender a manusear os utensílios agrícolas…).

Em Fevereiro de 2012, procedeu-se à instalação da horta. A maioria das plantas foi comprada no Cantinho das Aromáticas, que produz e comercializa plantas aromáticas, medicinais e condimentares, bem como outras espécies espontâneas da flora portuguesa, aliando os princípios da agricultura biológica aos métodos de produção. A horta tem vindo a ser mantida e cuidada através de um sistema de escalas, que permite mobilizar os diversos colaboradores em conformidade com as suas disponibilidades.

Antes das primeiras colheitas (em Maio de 2012), foram estabelecidos contactos formais com o Abrigo Nocturno de Lisboa (na Graça) da AMI, no sentido de doarmos a nossa produção (plantas para preparação de chás e ervas aromáticas) para o refeitório daquela instituição e acolhermos três “sem-abrigo” no nosso Projecto, dando-lhes formação na área da Horticultura Biológica e integrando-os numa actividade que é ao mesmo tempo lúdica e terapêutica. No dia 24 de Maio de 2012 foi ali entregue simbolicamente o primeiro cabaz de produtos biológicos da Horta Solidária da FCSH.

A promoção de um conjunto de actividades de educação ambiental (nomeadamente, a criação de um espaço dedicado à compostagem) e a realização de múltiplas iniciativas, abertas a grupos escolares e outros que com frequência visitam o Parque Botânico do Monteiro-Mor são outras metas do projecto. A partir destas foi possível não apenas cultivar a terra, mas também partilhar saberes (através de conversas descontraídas, colocação de uma casa-ninho, lançamento de um concurso para a criação de espantalhos, promoção de datas comemorativas do calendário rural/ambiental, entre outras acções).

Para além da realização de actividades com epicentro na horta (sob orientação da formadora Graça Ribeiro, da Associação Colher para Semear – Rede Portuguesa de Variedades Tradicionais), o projecto tem ainda no seu horizonte relacionar a aprendizagem e a investigação na área das hortas urbanas e em modo biológico com o currículo escolar. Esta é, aliás, uma componente importante do projecto, a qual contribuirá para um aprofundamento de conhecimentos ambientais, agrícolas, sociais e de planeamento urbano, que poderão ajudar a informar decisões sobre a implementação e organização dos espaços verdes nas cidades e, em particular, na cidade de Lisboa.

Complementarmente, este projecto procura dar um contributo para a inversão da situação actual de contínua perda de biodiversidade genética agrícola, por meio do cultivo de algumas variedades tradicionais ainda existentes em Portugal e do compromisso em multiplicar essas variedades (como é o caso do feijão capote do Fundão que apadrinhámos), devolvendo à Associação Colher para Semear parte da nossa colheita.

É um projecto que podem e devem conhecer. Visitem também o “mini-mercado” de produtos oriundos da Horta Solidária da FCSH, a realizar em Novembro de 2012 no Átrio do Bloco 1.


Factos e Números:

Descrição: Projecto Pedagógico-Científico e de Voluntariado

Área de intervenção:

Agricultura Urbana Sustentável

Palavras-chave:

Desenvolvimento Urbano Sustentável

Agricultura Urbana

Hortas Urbanas em Modo de Produção Biológico

 

Instituição responsável:

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/NOVA)

Instituições parceiras:

Museu Nacional do Traje

AMI, Abrigo Nocturno de Lisboa (Graça)

Associação Colher para Semear – Rede Portuguesa de Variedades Tradicionais

Período: 3 anos (Setembro 2011 a Setembro de 2014)

Horta Solidária da FCSH

Reportagens mais visualizadas
  1. > O celtismo e as suas repercussões na música na Galiza e no Norte de Portugal
  2. > Sociedade Civil e Democracia: Portugal numa Perspectiva Comparada
  3. > As relações familiares dos imigrantes em disputa
Horta Solidária da FCSH